terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Fissuras na bancada mais à direita

A eleição de Rui Rio para presidente do PSD veio provocar um verdadeiro terramoto na bancada parlamentar do maior partido da oposição. Calma, que não teve nada a ver com o sismo com epicentro em Arraiolos. Esse serviu apenas para abanar os tapetes por lá feitos, que já estavam a ganhar caruncho.
Sérgio Azevedo e Amadeu Albergaria, vice-presidentes do grupo parlamentar social-democrata e apoiantes de Santana Lopes nas mais recentes eleições internas, colocaram o seu lugar à disposição e Hugo Soares, que também declarou publicamente o seu apoio ao candidato derrotado, está a ser pressionado para abandonar o lugar de líder parlamentar, para o qual foi eleito em Julho de 2017 e cujo mandato é válido por dois anos. O próprio já havia afirmado que o titular do cargo não era escolhido pelo líder do partido, mas sim pelos deputados com assento na Assembleia da República, dando assim uma indicação clara da sua pretensão de continuar a desempenhar as actuais funções.
Assim de repente, só estou a ver uma bancada mais instável que esta: aquela onde estavam colocados os adeptos do Porto na noite de ontem, no Estoril.

domingo, 14 de janeiro de 2018

O "menino guerreiro" ainda vai continuar a andar por aí?

Da noite de ontem vem a mais que esperada vitória de Rui Rio nas eleições directas do PSD. Pedro Santana Lopes, que concorria à liderança do partido com o ex-autarca do Porto, não conseguiu contrariar o favoritismo atribuído ao seu adversário praticamente desde o início desta corrida eleitoral e averbou mais uma derrota ao seu longo rol de desgraças pessoais. Comparada a esta só mesmo a relação que manteve com Cinha Jardim, estou em crer.
A campanha foi pautada por ataques pessoais de parte a parte e muito pouco do plano que os candidatos tinham para o país foi revelado. Nos últimos dias, o tema central de discussão foi essa verdadeira pedra basilar do futuro de Portugal que é a incerteza acerca da real intenção de Santana Lopes, lá por volta de 2010 de formar um partido concorrente do PSD, que seria o Partido Social Liberal.
Pois bem, talvez a derrota de Santana Lopes possa ser atenuada por esta alegada vontade num passado recente. Rio venceu as eleições do PSD e o "menino guerreiro" venceu as eleições de um partido que, no limite, só existiu na sua cabeça.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Bem mais ecológico e menos perigoso

O Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, Revelou que é intenção do Governo reduzir o limite de velocidade dentro das cidades de 50 para 30 quilómetros por hora. Desta forma, o executivo pretende fazer descer a sinistralidade rodoviária nos grandes pólos urbanos.
No seguimento destas declarações, a Associação de Produtores de Gado Bovino e a Associação Nacional de Carpinteiros já vieram sugerir a elaboração de medidas de incentivo à troca de automóveis por carros de bois.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Põe-te a pau com eles!

A corrida à Casa Branca começa a desenhar-se a pouco menos de três anos para novas eleições presidenciais norte-americanas. Oprah Winfrey, a popular apresentadora, parece ganhar força como candidata do Partido Democrata, perfilando-se como uma temível antagonista de Donald Trump. Esta hipótese adquiriu contornos mais definidos com o seu discurso durante a cerimónia dos Globos de Ouro, que decorreu no passado domingo.
Não deixa de ser curiosa esta mania que os americanos têm de achar que a malta da televisão e do cinema pode ser também boa na política. Depois de Ronald Reagan, Arnold Schwarznegger e, claro está, Donald Trump, eis que já aí está mais uma estrela enfiada na rampa de lançamento para o circo mediático que é a política americana.
Se a moda pega por cá, um destes dias podemos ter um boletim de voto nas mãos onde figurem astros televisivos tão bem preparados politicamente como uma Cristina Ferreira, um Fernando Mendes ou, cereja no topo do bolo, uma Fanny da "Casa dos Segredos".
Presidente Marcelo, não quero estrangular-lhe a hérnia, mas acho que devia começar a pensar que o seu lugar em Belém pode estar em perigo.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Comparar o que só pode ter comparação

Apanhar varicela em adulto é toda uma experiência filosófica e sociológica pela qual todos deviam passar. É evidente que eu não fui bafejado por esse golpe de sorte, uma vez que ainda estou muito longe da idade adulta. Pelo menos, mentalmente. Bom, adiante... Vou falar-vos do que é ter varicela em consonância com a idade que tenho, tentar subir um patamar de maturidade e reproduzir a tal experiência
Ora, como bem devem saber, esta doença caracteriza-se, sobretudo, pelas fortes erupções cutâneas, que põe o nosso rico corpinho parecido com uma pequena Islândia (redundância, eu sei) em plena actividade vulcânica. Há de vários tipos, vários formatos e diversas formas e para mim foi impossível não as comparar com pessoas e respectivas atitudes.
- as cinderelas da festa: irrompem brutalmente, gostam de se mostrar exuberantes e fazem-se notar, mas a sua chama extingue-se rapidamente, desaparecendo tão depressa como apareceram e sem deixarem marca;
- as tímidas: são pequenitas, aparecem de mansinho sem serem notadas e tentam passar despercebidas durante a maior parte do tempo. Azar dos azares, acabam varridas sem dó nem piedade. Se ao menos se tivessem imposto enquanto era tempo...;
- as sonsas: são as primeiras a chegar e ficam bem para lá do seu tempo de actividade, chegando a irritar quem as vê sempre no mesmo sítio;
- as putonas: vêm em grupos de cinco ou seis, mantém-se no seu lugar, mas sempre tentando chamar a atenção. Quando são pressionadas, derretem-se e ficam agarradas a nós como se fossemos chineses ricos num casino;
- as chatas: aparecem, nós despachamo-las, mas quando parece que já nos livrámos delas, ressurgem com toda a força e ainda mais reluzentes.
E é isto, gente. Podemos elaborar raciocínios tão complexos e profundos a partir de uma maleita com estes contornos. Ou então não e isto foi tudo da febre...

sábado, 6 de janeiro de 2018

Todo ele é pressa

Marcelo Rebelo de Sousa foi recentemente submetido a uma cirurgia de urgência para solucionar um problema relacionado com a sua hérnia umbilical. O Presidente da República tinha aprazada para este início de ano a cirurgia, mas esta teve de ser antecipada, uma vez que a dita cuja estrangulou.
Não espanta que a hérnia do tio Marcelo seja também ela muito apressada. Menos ainda espanta que tenha estrangulado, visto que a vontade de Marcelo aplicar o mesmo tratamento à lei do financiamento partidário e a quem a elaborou já se tinha manifestado uns dias antes  e viria a confirmar-se dias depois.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Espírito natalício levado ao extremo

É cada vez mais difícil para mim não olhar para os youtubers como olho para os extraterrestres: sei que andam algures por aí, não consigo atribuir-lhes uma aparência concreta e desconheço quais são as suas reais intenções.